Uma parceria coesa que põe o cliente como única prioridade

23:09 24 setembro in artigos
0 Comments

Erik Limongi Sial e Pedro Henrique Reynaldo Alves trabalham há 25 anos numa trajetória de sucesso

Para os advogados Erik Limongi Sial e Pedro Henrique Reynaldo Alves, uma sociedade só faz sentido quando existe complementariedade e um mais um é mais que dois. Foram essas as premissas que, há 25 anos, uniram dois recém-formados, mesmo sem tradição familiar no setor, numa parceria que se materializou no escritório Limongi Sial & Reynaldo Alves Advocacia e Consultoria Jurídica e que hoje soma uma trajetória de sucesso. Com matriz no bairro das Graças, o escritório atua majoritariamente em processos contenciosos, embora atenda clientes dos mais diversos perfis através do conceito full service na área jurídica. A empresa está entre os cinco maiores escritórios do estado.
“Ao longo destes anos, nossa especialidade foi atuar nos tribunais e fóruns, com demandas de grande escala, e nos firmamos no mercado com a vocação de bem administrar o contencioso das empresas, nossa área de atuação mais forte. Seguramente, temos mais de 15 mil processos em tramitação nessa área, administrados por nosso escritório, além de causas estratégicas. Noventa por cento da nossa atividade, da nossa rentabilidade e do nosso faturamento são advindos de processos litigiosos. Temos alguns leading cases, com ações que firmaram jurisprudência no Supremo Tribunal Federal e no Superior Tribunal de Justiça, a partir de processos nossos”, orgulha-se o advogado Pedro Henrique Reynaldo Alves, que também atua como procurador do estado e é especialista em Direito Público.
Segundo ele, o atual planejamento da empresa tem investido na ampliação da atuação do escritório, apostando no campo consultivo para trabalhar de forma preventiva nas causas, evitando litígios e resolvendo os processos no âmbito das mediações e conciliações, em conformidade com o novo Código de Processo Civil. “Somos 40 advogados. Vinte e cinco associados, 11 sócios de serviços, dois sócios-fundadores e duas sócias de capital. Nossa equipe soma várias especialidades. Temos um programa de estímulo para capacitação dos nossos associados, com a oferta de bolsas de até 100% para especializações e mestrados”, conta.


Escritório tem atuação jurídica nacional

Com filiais em Caruaru e Petrolina, o Limongi Sial & Reynaldo Alves Advocacia e Consultoria Jurídica concentra seus escritórios em Pernambuco, mas possui atuação jurídica nacional. “Fizemos a opção estratégica de crescer nos concentrando em Pernambuco. E nós atuamos fora do estado através de parcerias, correspondências e joint ventures com empresas e colegas de outros estados, porque assim não precisamos abrir mão da qualidade para poder atender o número de processos que temos, oferecendo trato pessoal a cada um de nossos clientes, desde os corporativos, com presença fora do país, até causas individuais de família. Temos departamentos que atendem esse conceito full service para todo tipo de serviço jurídico”, explica Reynaldo Alves.
Segundo ele, a empresa faz um trabalho de correspondência com escritórios de advocacia de outros estados, através do apoio logístico, mas o conteúdo intelectual das suas ações é todo gerado pela equipe de advogados que integra o quadro do Limongi Sial & Reynaldo Alves Advocacia e Consultoria Jurídica.
Um dos ramos nos quais o escritório tem se destacado são os processos de cobrança. Dois anos após a implantação do Novo Código Civil brasileiro, as ações de execução nesse tipo de processo estão sendo resolvidas com mais efetividade e celeridade nas decisões de primeira instância. Para advogados dessa área, a nova prática desestimula a entrada de muitos recursos a partir do uso de instrumentos legais como a sucumbência progressiva (aumento das custas judiciais para as partes que recorrem a instâncias superiores) e a proibição do efeito suspensivo, comum para as decisões em primeiro grau.
Desjudicializar cobranças com garantia real, como nos casos das alienações fiduciárias dos financiamentos automotivos, por exemplo, ainda é um desafio para os tribunais superiores nos processos de execução.

No Comments

Sorry, the comment form is closed at this time.